A alteração de origem: a antropologia de Rousseau Show all records where Título is equal to A alteração de origem: a antropologia de Rousseau
Mauro Dela Bandera Arco Júnior Show all records where Autor is equal to Mauro Dela Bandera Arco Júnior
USP Show all records where Instituição is equal to USP

Há dentre os diversos intérpretes de Rousseau uma tendência latente, por vezes, declarada de enxergar sua concepção de homem calcada em um fixismo originário, em uma natureza humana estática e estável que, paulatinamente, corrompe-se e se degenera com a aquisição técnico-cognitiva e o desenvolvimento econômico, social e político. Segundo eles, uma lógica de tipo primitivo-defletivo perpassa os textos de Rousseau. De um lado, existiria um tipo primitivo e originário e, de outro, a(s) história(s) das alterações e dos desvios desse tipo, a degeneração e corrupção desse modelo originário. Todavia, essa lógica não é a única nem a melhor expressão do pensamento do autor. A aparição originária da língua setentrional (fria e articulada) e do homem do norte elucida esse aspecto. A língua e o homem do norte não podem ser considerados apenas como uma língua e um homem corrompidos (que já nascem corrompidos), sob o risco de pensarmos que a antropologia de Rousseau reduz-se ou resolve-se inteiramente num modelo no qual somente em determinadas regiões geográficas o homem poderá ser verdadeira e efetivamente homem. Em relação ao modelo da primeira língua – um tipo de abstração das condições histórico-materiais vivenciadas ou, ainda, a suposição de um quadro no qual se encontram condições materiais de existência bastante precisas –, vemos nas línguas nórdicas um grau maior de afastamento. Mas como essa primeira língua (perfeitamente musical) talvez jamais tenha realmente existido e nenhuma língua histórica acomoda-se plenamente a ela, é necessário pensar modelos plurais de origem que possam abarcar a variabilidade e a diferença em outros termos que não os de degenerescência. Em relação aos modelos de origens disponíveis que a reflexão antropológica pode acessar por meio da consideração dos aspectos assumidos pela condição humana de acordo com as circunstâncias empíricas, a origem setentrional é apenas mais um dos modelos possíveis. Por isso, esta apresentação segue na direção contrária à tendência exegética de tipo primitivo-defletivo, fundamentando-se na ideia de que certos conceitos e temas do pensamento antropológico de Rousseau segue por um caminho no qual nenhuma natureza humana fixa, originária e estática pode ser admitida. A questão da origem única se dilui em uma profusão de origens distintas.

Rousseau e o Iluminismo Buscar Grupo igual a Rousseau e o Iluminismo
Dia 23| Terça | Sala 6|10:45-11:15
IC3
23/10/2018
FaLang translation system by Faboba