AGENDA ANPOF
  • RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA DIRETORIA DA ANPOF - 2019/1

    A diretoria da ANPOF tem tomado várias iniciativas visando defender o direito à pesquisa e ao ensino de filosofia em todos os níveis de ensino, em conformidade com os objetivos definidos em seu estatuto. Temos acompanhado de perto o processo inédito de construção coletiva do documento de área junto à coordenação da área de filosofia junto à CAPES e também nos manifestado em defesa do financiamento da pesquisa na área e da manutenção da presença da disciplina filosofia no nível médio de ensino.

    LEIA MAIS

  • FÓRUM DE DEBATES: ANPOF/ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FILOSOFIA

    A ANPOF (Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia) é reconhecida pela comunidade filosófica brasileira como sua associação nacional. A entidade surgiu no início dos anos 1980 como uma associação de programas de pós-graduação, a qual não obstante possui dentre suas finalidades básicas – definidas em seu Estatuto Social (2013).

    LEIA MAIS

  • LEVANTAMENTO FEITO PELA ANPOF INDICA BAIXA PRESENÇA DE ENSINO DE MARX NAS PÓS-GRADUAÇÕES EM FILOSOFIA NO BRASIL

    A Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia no Brasil reúne 47 programas em todas as regiões do país. Estes programas oferecem mestrado e/ou doutorado. De acordo com levantamento feito pela instituição, neste semestre apenas 2,3% das disciplinas oferecidas pelos programas são sobre Marx.

    LEIA MAIS

  • NOTA DE REPÚDIO A DECLARAÇÕES DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO E DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA SOBRE AS FACULDADES DE HUMANIDADES, NOMEADAMENTE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA

    A Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia (ANPOF) e associações abaixo mencionadas repudiam veementemente as falas recentes do atual presidente da república e de seu ministro da educação sobre o ensino e a pesquisa na área de humanidades, especificamente em filosofia e sociologia.

    LEIA MAIS

  • Coordenações da graduação e pós-graduação em Filosofia da Universidade Estadual do Vale do Aracaú se manifestam contra a fala do Ministro da Educação

    Na última segunda-feira (8/4) o jornalista Josias de Souza divulgou em seu blog no portal UOL uma fala do Ministro da Educação recém-empossado, Abraham Weintraub, em que diz que as universidades nordestinas não deveriam ensinar filosofia, mas priorizar o ensino de agronomia. Ao que tudo indica, a fala do ministro é de setembro do ano passado, mas ganhou repercussão agora em razão da posição que ora ocupa, numa Pasta central para o país. Nem por isso deixa de ser, ao mesmo tempo, revoltante e compreensível.

    LEIA MAIS

  • A HISTÓRIA DA FILOSOFIA E AS OBRAS ESCRITAS POR MULHERES: UMA NOTA METODOLÓGICA -  NASTASSJA PUGLIESE FE/UFRJ - PPGLM/UFRJ

    Hipátia de Alexandria, Marie de Gournay, Christine de Pizan, Margaret Cavendish, Kristina Wasa, Anne Conway, Damaris Cudworth, Mary Astell, Émile du Châtelet, Mary Wollstonecraft. Mesmo com a ampliação dos debates na comunidade filosófica brasileira sobre a ausência de autoras mulheres nas obras canônicas da história da filosofia, ainda é muito provável que um aluno de graduação termine seu curso sem ter ouvido falar sobre nenhuma delas.

    LEIA MAIS

  • AS CONTRIBUIÇÕES DE ANGELA DAVIS AO PENSAMENTO FEMINISTA CONTEMPORÂNEO: POR UM 8M CADA VEZ MAIS DIVERSO

    Uma das mais importantes expoentes do feminismo negro e membro de destaque de uma tradição radical de lutas, a filósofa Angela Davis tem alcançado proeminência nos estudos que visam compreender gênero, raça e classe em nosso país apenas muito recentemente, não obstante, muitas sejam suas obras, nas quais figuram em destaque temas como o racismo, o sexismo, a emancipação feminina, o sistema penal e a inter-relações entre esses temas.

    LEIA MAIS

  • ENTREVISTA: É PRECISO AFIRMAR A POTÊNCIA DE UM FEMINISMO AGONÍSTICO", CARLA RODRIGUES (UFRJ)

    Em entrevista concedida à ANPOF, Carla Rodrigues, Professora do Departamento de Filosofia da UFRJ, pesquisadora no Programa de Pós-Graduação de Filosofia (IFCS/UFRJ) e bolsista da Faperj, comenta o contexto teórico a partir do qual a crítica de Butler em Problemas de gênero foi desenvolvida, assim como suas implicações no campo da luta política.

    LEIA MAIS

  • JANYNE SATTLER: A RELAÇÃO ENTRE A FILOSOFIA FEMINISTA E A MILITÂNCIA

    Vice-coordenadora do GT de Filosofia e Gênero, a professora Dra. Janyne Sattler (UFSC) concedeu entrevista à Anpof neste mês de março e discutiu a relação entre militância e teoria feminista. Sattler apresenta uma perspectiva crítica de como a relação entre militância e filosofia apresenta-se como pejorativa.

    LEIA MAIS

  • XVIII ENCONTRO ANPOF
BANNER FORUM-HOME3
 
03 COLUNA
CLIPPING ANPOF
msc-gt

face      YOUTUBE ANPOF

rss      twiiter

CHAMADA DE ARTIGOS ARTEFILOSOFIA N.25 / DOSSIÊ: VILÉM FLUSSER, WALTER BENJAMIN – AS AMBIGUIDADES DA TÉCNICA

CHAMADA DE ARTIGOS ARTEFILOSOFIA N.25 / DOSSIÊ: VILÉM FLUSSER, WALTER BENJAMIN – AS AMBIGUIDADES DA TÉCNICA

Walter Benjamin reflete, em diversos momentos de sua obra, sobre a questão da técnica e temas correlatos, tais como o trabalho como mediador entre o ser humano e a natureza, realizando sua crítica ao progresso. Ele afirma: “Para que falar de progresso a um mundo que afunda na rigidez cadavérica? (...) Deve-se fundar o conceito de progresso na ideia da catástrofe. Que tudo ‘continue assim’, isto é a catástrofe. Ela não é o sempre iminente, mas sim o sempre dado.” Também o marxismo será revisto por ele, em função de sua concepção crítica do progresso: “Marx afirma que as revoluções são as locomotivas da história do mundo.

Mas talvez isso seja totalmente diferente. Talvez as revoluções sejam o freio de emergência da humanidade que viaja neste trem”. Em“Rua de mão única”, Benjamin lembra que “[a] dominação da natureza, assim ensinam os imperialistas, é o sentido de toda técnica”. Mas a essa visão ele contrapõe outra: “A técnica não é dominação da natureza: é dominação da relação entre natureza e humanidade.” Na segunda versão de seu ensaio sobre “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”, ele desenvolve uma distinção entre a primeira técnica,cujo fim é o sacrifício da vida, e uma segunda técnica,que teria como exemplos paroxísticos a fotografia e o cinema, esta calcada no jogar junto com a natureza: “A origem da segunda técnica deve ser buscada onde o ser humano, com uma astúcia inconsciente, chegou pela primeira vez a tomar uma distância em relação à natureza. Em outras palavras, ela encontra-se no jogo. […] A primeira [técnica] realmente pretende dominar a natureza; a segunda prefere muito antes um jogo conjunto entre natureza e humanidade.” Ele nota ainda: “Justamente porque essa segunda técnica pretende liberar progressivamente o ser humano do trabalho forçado, o indivíduo vê, de outro lado, seu campo de ação [Spielraum] aumentar de uma vez para além de todas as proporções. [...] Mal a segunda técnica garantiu suas primeiras conquistas revolucionárias, as questões vitais do indivíduo – amor e morte – já exigem novas soluções”.

http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/announcement/view/18

 

CALL FOR PAPERS: ARTEFILOSOFIA JOURNAL N. 25 / DOSSIER: VILÉM FLUSSER, WALTER BENJAMIN – THE TECHNICAL AMBIGUITIES
In different moments of his work, Walter Benjamin reflects upon the question of technology and related issues such as work as the mediation between man and nature, conducting his critical analysis of progress. He says: “What’s the idea? to speak of progress to a world sinking into the rigidity of death. (...) The concept of progress must be grounded in the idea of catastrophe. That things are 'status quo' is the catastrophe. It is not an ever-present possibility but what in each case is given.” Marxism will also be reviewed by him  according to his critical conception of progress: “Marx said that revolutions are the locomotive of world history. But perhaps things are very different. It may be that revolutions are the act by which the human race travelling in the train applies the emergency brake”. In “One Way Street” Benjamin recalls that “The mastery of nature, so the imperialists teach, is the purpose of all technology.” But he also offers an opposing view: “technology is not the mastery of nature but of the relation between nature and man.” In the second version of his essay about “The Work of Art in the Age of Its Technical Reproducibility” he develops a distinction between the first technology, its outcome being the sacrifice of life, and the second technology, which would have as paradoxical examples photography and cinema, based on the play with nature: “The origin the second technology lies at the point where, by an unconscious ruse, human beings first began to distance themselves from nature. It lies, in other words, in play. [...]The first technology really sought to master nature, whereas the second aims rather at an interplay between nature and humanity”. And so, he notes: “Because this technology aims at liberating human beings from drudgery, the individual suddenly sees his scope for play, his field of action [Spielraum], immeasurably expanded. [...] No sooner has the second technology secured its initial revolutionary gains then vital questions affecting the individual - questions of love and death which had been buried by the first technology - once again press for solutions”.

http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/announcement/view/15

FaLang translation system by Faboba